Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Wines & Whispers

Um blog para quem, como eu, procura descobrir, entender e partilhar as histórias que uma garrafa de vinho tem para contar.

Wines & Whispers

Um blog para quem, como eu, procura descobrir, entender e partilhar as histórias que uma garrafa de vinho tem para contar.

Bajancas Reserva Tinto 2013

Bajancas reserva 2013 (1).jpg

 

Notas de Prova : 

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e com ligeira progressão.

 

Carregado, com laivos violetas, é um vinho que olfactivamente causa logo grande impacto pela qualidade das notas de especiaria e fruta madura, embora fique ligeiramente marcado pelo lado alcoólico, sem contudo nunca compremeter.

 

No palato, estamos perante um vinho poderoso, carnudo, com taninos vigorosos e que aconselham moderação no seu consumo. É contudo um vinho bem desenhado, a pensar em mesa farta e boa companhia, para poder expressar melhor o seu caractér.

 

Termina longo, com persistência e muito sabor.

 

Mais um vinho de um produtor que muito aprecio, com um cunho muito pessoal e que aprecio: vinhos bem feitos, carnudos, viris, com muito sabor, a pedir boa mesa.

 

Classificação Pessoal : 17,2 valores (86 valores)

 

 

Bajancas Reserva Tinto 2013 (FP) (1).jpg

 

 

Titan Of Douro Tinto 2017

Titan.jpg

 

Notas de Prova : 

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e sem progressão.

 

Visualmente, apresenta côr violeta carregada, com boa concentração.

 

No nariz, temos um Douro com boas notas de fruta fresca, tabaco e cacau, tudo em boa proporção e bem conjugadas, tornando-o muito apelativo.

 

No palato, surge um vinho bem feito, fresco e mineral, com boa densidade e volume de boca. Confirma-se as notas de cacau e tabaco, com toque especiado. Os taninos são redondos, bem desenhados, mas vigorosos. 

 

Termina médio - longo, com boa persistência.

 

Classificação Pessoal : 16,2 valores ( 81 valores)

 

RegiãoDouro
Tipo de VinhoTinto
Ano2017
ProdutorLuís Leocádio
CastasTouriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz
Teor Alcoólico14,00 %
ConsumoBeber

 

 

 

 

 

 

Titan Of Douro Tinto 2017 (2).jpg

 

 

Meandro do Vale Meão Tinto 2014

Meandro.jpg

 

A Quinta do Vale Meão, localizada em S. João da Pesqueira, foi a última quinta adquirida por D. Antónia Adelaide Ferreira, em 1877. Nela, D. Antónia pretendia focalizar toda a vasta experiência adquirida na produção de grandes vinhos e torná-la numa projecto modelo.

 

Focalizando maioritariamente a sua produção em vinhos do Porto, foi a partir da década de 50 do século passado que se passou a produzir o mais emblemático vinho tranquilo comercializadona altura e nos dias de hoje: o mítico Barca Velha, de Fernando Nicolau de Almeida. Já em 1970, Francisco Javier de Olazabal, trineto da Ferreirinha, assumiu a gestão da quinta com a saída em definitivo da produção do Barca Velha para a Quinta da Leda, começou a esboçar a produção de um novo vinho tranquilo: o Vale Meão, que teve a sua primeira produção em 1999.

 

O Vale Meão tem uma riqueza única de solos, uma vez que além do óbvio xisto, encontramos também granito e aluvião. Assim, a diversidade e o potencial das inúmeras equações dessa diversidade são um permanente.

 

A quinta possuí duas adegas: a Adega dos Novos e a adega da Barca Velha (junto à vinha que deu corpo ao icónico vinho e que baptizou a adega). Os vinhedos desta quinta são exclusivamente encepados com castas tintas durienses destacandose a Touriga Nacional (40%), a que se seguem as castas Tinta Roriz (25%), Touriga Franca (20%), além de Tinta Amarela, Tinto Cão, Sousão e Tinta Barroca, em menores quantidades.

 

É destes vinhedos que surge a segunda marca da quinta, o Meandro do Vale Meão.

 

 

Notas de Prova : 

 

Rolha em excelente estado, natural, molhada apenas na base. Visualmente, apresenta uma cor rubi muito viva, com boa concentração. No nariz, evidencia boas notas de frutos vermelhos e floral. No palato, é um vinho rico, complexo, com boas notas de fruta a confirmar o olfacto. Bastante expressivo, fresco, com taninos sedosos, termina longo e persistente.

Excelente relação qualidade / preço, esta edição obteve uns fantásticos 91 pontos de Robert Parker.

 

 

Classificação Final : 17,0 valores

Tipo de VinhoTinto
RegiãoDouro
Ano2014
ProdutorFrancisco Javier de Olazabal
CastasTouriga Nacional (40%), Touriga Franca (30%), Tinta Roriz (20%), Tinta Barroca (5%), 3% Tinto Cão (3%) e Sousão (2%)
Teor Alcoólico13,50 %
ConsumoBeber / Guardar por um período máximo de 10 anos

Bajancas Reserva Branco 2016

Bajancas Branco Reserva 2016_edited (1).jpg

 

Notas de Prova : 

 

Rolha em excelente estado, natural. Visualmente, mostra-se um branco límpido, cor amarela cristalina. No nariz, toque floral e de fruta (damasco) bem integrados, bastante agradável.

No palato, mostra-se um branco com muito bom volume e untuoso, com boa acidez e uma excelente mineralidade, fresco e surpreendemente leve, não se fazendo notar o seu grau de alcoolemia (14,50%). Um vinho pode ter sido feito a pensar no Verão, mas que no Inverno acompanhará certamente bons pratos de peixe e carne branca.

O final é médio a longo, com persistência e um toque amargo e salgado, que particularmente aprecio bastante.

Mais um bom vinho, de um produtor que aprecio imenso e faz parte da minha lista de compras habituais.

 

Classificação Pessoal : 16,5 valores

 

 

Tipo de vinhoBranco
RegiãoDouro
ProdutorQuinta das Bajancas
Ano2016
Castas Rabigato, Viosinho e Gouveio
Teor Alcoólico14,50 %
ConsumoBeber

 

Bafarela Reserva 2014

Bafarela Reserva 2014 (1).jpg

Depois de ter provado o Bafarela Grande Reserva 2014 (poderão encontrar os comentários https://winesandwhispers.blogs.sapo.pt/bafarela-grande-reserva-2014-13275), foi a vez de experimentar outro vinho da Casa Agrícola Brites Aguiar, e da mesma linha do anterior.

 

Resultado: mais um bom vinho, que não brilhou como o Grande Reserva, mas que também em nada desiludiu.

 

Notas de Prova: 

 

Rolha em excelente estado, molhada apenas na base. Visualmente apresenta uma bonita cor granada, escura, densa, com laivos violetas. 

No nariz, muito boas indicações desde logo pelo seu aroma a fruta madura, com toque especiado e belo floral. Na boca, mostra-se um tinto raçudo, de taninos sérios e firmes, cheio intensidade. Fruta madura bem envolvidas em notas de madeira, a confirmar as sensações olfactivas.

Termina longo, firme, afirmativo e persistente.

Na linha do grande reserva, não impressiona tanto os sentidos mas anda lá muito perto. Para quem gosta de vinhos sérios, potentes, com toque amadeirado, tem aqui um belo vinho a um preço bastante atractivo.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

Tipo de VinhoTinto
RegiãoDouro
Ano2014
ProdutorCasa Agrícola Brites Aguiar
CastasTouriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz
Teor Alcoólico14,50 %
ConsumoBeber

Duas Quintas Branco 2016

2Q.jpg

 

In hoc signo vinces!

 

Notas de Prova : 

 

Rolha em exelente estado, molhada apenas na base.

Apresenta uma cor dourada com bordos amarelados, de as pecto límpido e brilhante. No nariz, mostra-se um fino de bom corte, fino e atractivo, com notas florais e fruta muito expressiva, como tangerina, pêssego e damasco.

No palato, é um branco untuoso, que enche a boca. Requintado, muito expressivo, é um vinho com boa acidez e bastante equilíbrio, traduzindo a qualidade que a casa Ramos Pinto incute em todos os vinhos que produz. Terrivelmente gastronómico, é um daqueles vinhos que bebemos com imenso prazer e não conseguimos esconder a desilusão quando acaba.

Termina médio, com bom volume e sedutor.

 

 

Classificação Pessoal : 16,5 valores

 

 

Tipo de VinhoBranco
RegiãoDouro
Ano2016
ProdutorRamos Pinto
CastasRabigato (50%), Viosinho (40%), Arinto (10%)
Teor Alcoólico13,00 %
ConsumoBeber / Guardar

Post Scriptum 2015

PS_edited (1).jpg

 

Não tendo a notoriedade que o seu "parente " Chryseia tem, este Post Scriptum apresenta contudo traços muito semelhantes a um preço muito atraente. Produzido a partir de uvas de duas das mais emblemáticas quintas do Douro (Quinta de Roriz e Quinta da Perdiz), o Post Scritpum é um vinho que se encontra pronto a consumir, mas que beneficiará de mais alguns anos em cave.

 

Notas de Prova :

 

Rolha em excelente estado, molhada apenas na base. Laivos violetas, no aroma surge com notas de fruta preta e toque amadeirado. Na boca, mostra-se um vinho pronto a beber, bem equilibrado, boa acidez e fresco, de taninos aveludados e boa intensidade. Altamente gastronómico, poderá acompanhar tanto pratos de carne vermelha como de peixe, sem nunca desiludir.

 

Termina médio - longo, com persistência.

 

Classificação Pessoal : 16,5 valores

 

 

Região

Douro
Tipo de vinhoTinto
Ano2015
ProdutorPrats & Symington
CastasTouriga Nacional, Touriga frnca
Teor Alcoólico13,50 %
ConsumoBeber / Guardar por um período de 5 anos

Poço da Velha tinto 2014

poço velha (1).jpg

 

 

Quem nunca experimentou um vinho do qual nunca tinha ouvido falar, do qual os seus amigos nunca tinham ouvido falar, e que nos surpreende e cativa os sentidos ao ponto de dizer: "como é possível este vinho não ter visibilidade?"

 

Embora não seja a primeira colheita deste vinho que tenha bebido (o primeiro foi a colheita de 2010), este foi o vinho que mais recentemente me marcou com esse sentimento.

 

O Poço da Velha Tinto 2014 é um daqueles tintos produzidos por um pequeno produtor, localizado em Ervedosa do Douro e elaborado com um blend de vinhas velhas que esteve em estágio durante doze meses em barricas de carvalho francês (para quem esteja interessado, alvarorveiga@gmail.com), com pouca visibilidade nacional mas que imediatamente nos faz perceber que ainda existem grandes vinhos por descobrir.

 

Após contacto com o produtor, soube que será brevemente lançado um reserva, entre o final deste ano e início de 2019. A acompanhar com (muita, mas mesmo muita curiosidade e) atenção.

 

Notas de Prova :

 

 Rolha em excelente estado, molhada na base e sem progressão.

 

De cor rubi profunda, denso, é um vinho que apresenta-se no nariz com o toque característico do douro: floral e fruta madura. No palato, encontramos um vinho bastante equilibrado, com excelente acidez, taninos vivos mas redondos que dão mais prazer à degustação deste vinho. Boas notas de ameixa e baunilha, com ligeiro toque especiado e um final longo e persistente.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

 

ProdutorÁlvaro Veiga
RegiãoDouro
Tipo de VinhoTinto
Ano2014
CastasBlend de vinhas velhas
Teor Alcoólico14,00 %
ConsumoBeber / guardar por um período máximo de 10 anos

Callabriga 2011

a (4).jpg

 

 Eis um vinho que tinha em guarda à já algum tempo, sempre com a indecisão de abrir ou continuar a guarda. Os vinhos da Casa Ferreirinha primam, seja qual for a gama de preço, por um denominador comum: qualidade. Tendo como referências óbvias o mítico Barca Velha e o Reserva Especial, surgem de imediato outros grandes vinhos a preços muito mais acessíveis mas com selo de qualidade garantida e uma excelente relação qualidade / preço, como são o caso do Quinta da Leda, Vinha Grande e este Callabriga. Com um blend das castass mais comuns e emblemáticas da região, é uma aposta segura para quem compra e um vinho obrigatório para quem nunca provou. 

 

 

Notas de Prova : 

 

Este Callabriga 2011 mostrou, desde logo, estar em óptima fase de evolução e num ponto de consumo muito bom. De cor rubi, denso, mostra-se no olfato com boas notas florais e um aroma exuberante a frutos vermelhos maduros. No palato, embora ainda em evolução, mostra-se muito afinado, com notas de especiaria (do seu estágio em barrica) e pimenta, num conjunto sério mas muito elegante, com muito bom volume de boca e texturado. Termina longo, com persistência e elegância.

 

Um vinho que remete imediatamente para a nossa mente um pouco do que é a história da região, da marca Casa Ferreirinha e dos anos de ouro de Dona Antónia Adelaide Ferreira. Edição após edição, uma aposta segura para quem procura um vinho do Douro com qualidade a um preço bastante aceitável.

 

Para mim, pronto a ser bebido. Com muito prazer.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

ProdutorSogrape (Casa Ferreirinha)
RegiãoDouro
Tipo de VinhoTinto
Ano2011
CastasTouriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz
Teor Alcoólico14,50 %
ConsumoBeber / Guardar

 

 

 

VALE DO BOMFIM Tinto 2014

Vale do Bomfim 2014 (1).jpg

 Não me recordo da quantidade de vezes que passei por este vinho sem nunca o ter trazido para realizar uma prova. Foram algumas, sempre uma promessa adiada, mas que recentemente decidi realizar. 

Desconhecia em absoluto este vinho, da Symington Family Estates, embora o selo do seu produtor me assegurasse desde logo qualidade inequívoca.

E assim parti, para mais uma boa descoberta.

 

Notas de Prova:

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e sem progressão.

 

Nariz bastante expressivo de frutos silvestres, com toque de fumado envolvente bem enquadrado.

 

Na boca, mostra-se um tinto carnudo, com taninos firmes. Especiado, com traço vegetal, fumado e toque de madeira, é um tinto que se bebe com prazer, mas que pede um bom prato a acompanhar de modo a poder brilhar.

 

Termina longo, bastante persistente, com travo ligeiramente seco.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

 

ProdutorSymington Family Estates
RegiãoDouro
Tipo de VinhoTinto
Ano2014
CastasTouriga Franca, Touriga Nacional e mistura de castas durienses
Teor Alcoólico     14,00 %
ConsumoBeber

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Posts mais comentados

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.