Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Wines & Whispers

Um blog para quem, como eu, procura descobrir, entender e partilhar as histórias que uma garrafa de vinho tem para contar.

Wines & Whispers

Um blog para quem, como eu, procura descobrir, entender e partilhar as histórias que uma garrafa de vinho tem para contar.

Trinca Bolotas 2016

Trinca Bolotas 2016_edited.jpg

 

Notas de Prova : 

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e com ligeira progresão. Visualmente bonito, de cor rubi muito viva, apresenta um nariz muito floral, com aromas bem definidos de frutos vermelhos. 

 

Tinto de médio porte, com boa estrutura e bastante equilibrado, taninos suaves e uma acidez que confere lhe confere uma boa vivacidade, é um vinho muito gastronómico para a cozinha mediterrânica que não deixará ninguém desiludido. No seu segmento, uma referência em qualidade e no preço.

 

Termina com bom comprimento e persistência.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

 

Tipo de VinhoTinto
RegiãoAlentejo
ProdutorSogrape (Herdade do Peso)
Ano2016
Castas

Alicante Bouschet (44%), Touriga Nacional (40%), Aragonez/Tinta Roriz (16%)

Teor Alcoólico14,00 %
Consumo 

Vila Santa Trincadeira 2011

JPR Trincadeira.jpg

 

Falar de vinhos alentejanos é falar, indubitavelmente, de João Portugal Ramos. Com mais de 25 anos de experiência na arte de produzir (bom) vinho, é um nome de referência não só dos vinhos Alentejanos como também a nível nacional, como prova a sua expansão para vinhos do Douro. Mas foi só a partir de 1997 que começou a produzir em nome próprio, depois de inúmeras participações em outras adegas e cooperativas como as da Vidigueira, Reguengos de Monsaraz e Portalegre.

A Adega Vila Santa colocou Estremoz no mapa dos grandes vinhos Portugueses, dando hoje o nome a um dos mais emblemáticos vinhos Alentejanos que lá se produzem (começou por ser comercializado com o nome do produtor, tendo sido efetuado a mudança de nome neste novo século) e, anos após ano, com uma consistência assinalável.

 

Notas de Prova: 

 

Rolha em bom estado, molhada na base e com penetração.

 

Vinho de cor escura, denso, mostra-se no nariz com notas bem delineadas de pimento vermelho e frutos vermelhos. No palato, surge um vinho em grande forma: redondo, volumoso, encorpado, é um vinho que enche a boca a cada trago, com notas especiadas, tabaco e cacau.

Vinho altamente gastronómico, que termina longo e persistente.

 

Um daqueles vinhos que exprime perfeitamente o seu terroir, o que é um vinho alentejano, a sua alma. 

 

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

 

RegiãoAlentejo
Tipo de VinhoTinto
Ano2011
ProdutorJoão Portugal Ramos
CastasTrincadeira (100%)
Teor Alcoólico14,00 %
ConsumoBeber

Telhas Tinto 2013

telhas (1).jpg

Produzido  na Herdade das Antas, perto de Fronteira, este Telhas 2013 é um tinto muito particular e que me surpreendeu na prova. Com um blend de syrah e viognier, o Telhas 2013 provém da parcela de vinha mais elevada, com solos graníticos e pobres, que proporcionam uma elevada maturação das uvas utilizadas para a sua produção. Com leveduras autóctones, a fermentação foi concluída em barricas de carvalho americano, seguido de battonage. Para finalizar, estágio em barrica de 24 meses.

 

Notas de Prova:

 

Rolha em bom estado, molhada na base e com ligeira progressão. Apresenta cor intensa, púrpura, com boa concentração. No nariz, uma mistura de aromas típicos das castas: por um lado, a componente mais floral (violetas) do viognier e por outro, o lado mais especiado do syrah. No palato, mostra-se um tinto robusto mas amaciado pelo viognier, especiado e madeira muito bem integrada, fruto do seu estágio em barrica prolongado. Peca talvez pelo seu lado mais adocidado, mas que acaba por se esbater um bocado após o primeiro impacto no palato.

 

Termina longo, com persistência e envolvente.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

 

RegiãoAlentejo
Tipo de vinhoTinto
Ano2013
ProdutorTerra d'Alter
CastasSyrah (95%) e Viognier (5%)
Teor Alcoólico14,50 %
ConsumoBeber

Cem Reis Reserva Tinto 2013

100 R - Cópia (1).jpg

 

Produzido na Herdade da Maroteira, localizada entre Estremoz e Redondo, produzido por Philip Mollet e com o mago António Maçanita como enólogo, o Cem Reis é um vinho monovarietal Syrah que tem registado uma enorme curiosidade junto do público. À enorme qualidade do vinho, tem-se juntado dois factores essenciais para que este seja um dos vinhos mais falados e desejados entre nós, apreciadores: se por um lado, se tem verificado, colheita após colheita, uma enorme solidez e consistência na qualidade que apresenta, por outro tem-se verificado uma diminuição na produção, o que tem elevado a procura deste vinho.

 

 O Cem Reis tinto 2013 estagiou 16 meses em barricas novas: 50% Carvalho Francês grão fino tosta média e 50% Carvalho Americano grão médio tosta média, tendo sido sujeito a vindima manual, em caixas de 20 kg. Fermentações alcoólicas e malolática naturais e espontâneas; “Cuivason” de mais de 20 dias; Engarrafado sem colagens ou filtração.

 

Notas de Prova : 

 

Rolha em excelente estado, molhada apenas na base e sem progressão. No nariz, temos imediatamente uma explosão de aromas que aviva os sentidos e nos prende de imediato: excelentes notas de frutos pretos e tostado, fruto do seu estágio em barrica. Mas é no palato que este Cem Reis nos prende e desarma por completo: ataque cheio, quente, com taninos polidos e bem desenhados, num tinto carnudo e que nos delicia por completo. O teor alcoólico elevado mal se faz sentir, tornando ainda mais surpreendente o seu consumo.

Termina longo, com muita persistência.

 

Classificação Pessoal : 18,0 valores

 

 

ProdutorHerdade da Maroteira
RegiãoAlentejo
Tipo de vinhoTinto
Ano2013
CastasSyrah (100%)
Teor Alcoólico16%
ConsumoBeber / Guardar por um período de 5 anos

Vinhos biológicos Herdade do Esporão

thumbs.web.sapo.io (1).jpg

Trata-se do primeiro lançamento de vinhos resultantes do cultivo de vinhas biológicas, o primeiro resultado de um projecto já com alguns anos por parte da Herdade do Esporão e a confirmação de uma tendência para vinhos mais biológicos que temos vindo a registar nos últimos anos.

 

O Esporão Colheita Branco 2016 é um branco monocasta Antão Vaz com um teor alcoólico de 14,00 %, enquanto que o Esporão Colheita Tinto 2016 é um bivarietal de Touriga Franca e Cabernet Sauvignon, com o mesmo teor alcoólico do seu irmão branco.

 

Estes dois vinhos colheita chegam agora ao mercado, com um P.V.P. a rondar os 10€.

CORTES DE CIMA Syrah 2012

Cortes de Cima Syrah 2012 (1).JPG

Este é um dos vinhos que, colheita após colheita, me continua a surpreender e deliciar. A sua consistência faz com que, anos após ano, seja um dos vinhos tintos que continuo a querer comprar e provar, não deixando nunca de me surpreender, como se da primeira vez se tratasse.

 

Foi pois, com especial afecto, que voltei a este Syrah Cortes de Cima, gama de entrada dos Syrah do produtor, onde evolui depois para o Homenagem a Hans Christian Anderson e o icónico Incógnito.

 

Encontra-se num ponto de consumo ideal, a meu ver, podendo contudo beneficiar com mais alguns anos em cave. Tem corpo e acidez para se refinar, assim possamos resistir à tentação de abrir a garrafa.

 

Notas de Prova :

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e compouquíssima progressão.

 

Cor granada, nariz arrebatador de frutos vermelhos, com notas bem ligadas de cacau, baunilha e especiaria, fruto do seu estágio em barrica. No paladar, assume a sua vigorisidade característica, um tinto carnudo e de acidez elevada, com taninos macios. Mostra-se bastante sumarento e complexo, muito bom volume de boca, e termina longo e muito persistente, bastante envolvente.

 

 

Classificação Pessoal : 16,5 valores

 

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho     Tinto
Ano2012
ProdutorCortes de Cima
CastasSyrah
Teor Alcoólico14,00 %
ConsumoBeber / Guardar

AR Touriga Nacional 2013

AR Touriga Nacional 2013.JPG

 Depois da experiência do AR Reserva tinto 2013 (poderão ler a nota de prova aqui), colquei hoje em prova o vinho AR Touriga Nacional 2013.

 

Tenho vindo a registar com muito agrado o ressurgimento da Adega Cooperativa do Redondo, com vinhos com muita qualidade, muita consistência e que transportam consigo muito da alma Alentejana de que, particularmente, muito aprecio.

 

 

Notas de Prova :

 

 

Rolha em excelente estado, molhada apenas na base, sem progressão.

 

Aroma exuberante a frutos silvestres vermelhos, notas de especiaria, caramelo e um toque vegetal. Na boca, vinho com bom porte, enche bem a boca, num ataque quente e seco. Taninos bem desenhados, a vincar a sua juventude, com garra e cheio de vida, proporcionando um final bem persistente e muito longo.

 

Como referi, este vinho emana alma Alentejana a que ninguém poderá ficar indiferente, a um preço muito convidativo para esta qualidade. Dá clara sensação de que poderá ainda estar numa fase crescente em garrafa, mas merece ser bebido já.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

 

RegiãoAlentejo
Tipo de vinho     Tinto
Ano2013
ProdutorAdega Cooperativa do Redondo
CastasTouriga Nacional
Teor Alcoólico14,00 %
ConsumoBeber / Guardar

Prova de Vinhos DONA MARIA

Jantar Vínico DONA MARIA (1).JPG

 

IMG_0133 (1).JPG

 

 Jantar Vínico DONA MARIA organizado pela garrafeira Dom Vinho, na Quinta das Lágrimas (Coimbra). Os vinhos em prova foram:

 

  • Dona Maria Rosé 2016

Bonita cor salmão claro, num claro estilo de vinho rosé de cor menos carregada e mais  elegante, apresenta-se no nariz com bastante delicadeza, muito frutado com boas notas de frutos tropiacais, framboesas e morangos.

 

Na boca, é um vinho muito macio, fácil de se beber, muito leve sem que com isso deixe de ser persistente, o que o torna ideal para um fim de tarde de Verão.

 

Tem bom volume de boca, com um final médio a longo e persistente.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho    Rosé
Ano2016
ProdutorJúlio Bastos
CastasAragonez e Touriga Nacional
Teor Alcoólico12,00 %
Consumo

Beber

 

 

  • Dona Maria Viognier 2015

Cor citrina com laivos amarelados, de aspecto bastante límpido. O aroma remete de imediato para a casta, com notas florais de jasmim, bastante frutado com destaque para pêra, manga e pêssego.

 

Na boca, mostra-se um branco cremoso e bastante guloso, com boa acidez e volume de boca, muito equilibrado.

 

Está um branco bastante bem feito, afinado, e que termina com um bom comprimento de boca e persistência.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho    Branco
Ano2015
ProdutorJúlio Bastos
CastasViognier
Teor Alcoólico13,00 %
ConsumoBeber

 

 

  • Dona Maria Touriga Nacional 2013

Bonita cor violeta, com aspecto límpido.

 

No nariz, notas florais de bergamota e violetas, apresenta um paladar bastante sedoso e requintado, com bom volume de boca. Os taninos são requintados, com personalidade e classe, aliado a uma muito boa acidez. Tudo conjugado, permite afirmar que estamos perante um tinto em claro crescimento e com grande potencial de envelhecimento.

 

Termina longo e persistente.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho    Tinto
Ano2013
ProdutorJúlio Bastos
CastasTouriga Nacional
Teor Alcoólico14,50 %
ConsumoBeber / Guardar

 

 

  • Dona Maria Amantis Reserva 2012

Apresenta no copo uma bonita cor rubi, brilhante, de aspecto concentrado.

 

No nariz, notas muito interessantes e complexas de frutos do bosque maduros, ainda algo fechados, com toque vegetal. No palato, a confirmação de que é um vinho ainda jovem, encontra-se algo fechado em sabores mas mostra uma acidez muito equilibrada e é bastante fresco, complexo, com notas de frutos vermelhos e especiaria. Os taninos estão muito bemdesenhados, macios e nada agressivos, para uma prova cheia de prazer.

 

Termina longo, firme e afirmativo, sendo um tinto para beber desde já mas que com alguns anos de cave poderá ainda evoluir.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho    Tinto
Ano2012
ProdutorJúlio Bastos
CastasSyrah, Petit Verdot, Cabernet Sauvignon e Touriga Nacional
Teor Alcoólico14,50 %
ConsumoBeber / Guardar

 

 

  • Dona Maria Grande Reserva Tinto 2012

Depois de em 2016 o Grande Reserva 2011 ter ganho inúmeros prémios nacionais e internacionais, existia grande expectativa relativamente a este Grande Reserva 2012.

 

De cor rubi intensa, carregada, apresenta um nariz cheio de classe, com notas de frutos vermelhos silvestres, menta e especiaria, fruto do seu estágio em madeira de carvalho francês.

 

Na boca, resulta um tinto muito envolvente e sedutor, bastante afinado já, com taninos sedosos e cheios de requinte. Muito bom volume de boca, termina muito longe e bastante persistente, cheio de personalidade e com a promessa clara de ainda vir a crescer muito em garrafa.

 

A prova de que o ano de 2011, para o Grande Reserva, não será um caso isolado.

Excelente!

 

Classificação Pessoal : 18,0 valores

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho    Tinto
Ano2012
ProdutorJúlio Bastos
CastasAlicante Bouschet, Petit Verdot, Touriga Nacional e Syrah
Teor Alcoólico14,50 %
ConsumoBeber / Guardar

 

 

  • Dona Maria Late Harvest 2011

Cor dourada, intensa e brilhante, apresenta um nariz com notas caramelizadas, alperce e damasco. No palato, doçura equilibrada com notas de mel e uma acidez acima da média. Final longo, guloso e persistente.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho    Branco
Ano2011
ProdutorJúlio Bastos
CastasSemillon
Teor Alcoólico12,50 %
ConsumoBeber

MONTE VELHO Branco 2016

Monte Velho Branco 2016 (1).JPG

 

Localizada no coração do montado Alentejano, em Reguengos de Monsaraz, a Herdade do Esporão é uma das mais emblemáticas Herdade e Quintas nacionais, com uns impressionantes 700 hectares de vinhas com cerca de 40 castas diferentes, de onde saiem alguns dos melhores vinhos Portugueses. Os seus solos são maioritariamente de natureza granítica-xistosa, com estrutura franco-argilosa.

 

Um dos vinhos mais vendidos do Esporão é, sem dúvida, o Monte Velho, conseguindo combinar vários factores de sucesso numa garrafa: qualidade, os melhores aromas e sabores dos vinhos Alentejanos, a um preço que fosse possível chegar a um maior número de pessoas.

 

 

O seu nome provém de um monte localizado na Herdade, junto à albufeira da Caridade.

 

Notas de Prova :

 

Agradável surpresa, este Monte Velho Branco. Bonita cor cítrica, aspecto bastante limpo e cristalino, apresenta boas notas cítricas de limão, ameixa e pêssego. Na boca, temos um vinho de médio porte, macio mas de consistência e intensidade assinalável, com boa em que as nota cítricas e floral se encaixam muito bem e tornam este vinho bastante equilibrado e muito gastronómico.

 

O seu final agradavelmente aromático, sólido e firme, com bom comprimento.

 

Classificação final : 16,0 valores

 

RegiãoAlentejo
Tipo de VinhoBranco
Ano2016
ProdutorHerdade do Esporão
CastasAntão Vaz, Roupeiro, Perrum
Teor Alcoólico13,00 %
ConsumoBeber

 

 

 

MONTE DA RAVASQUEIRA Vinha das Romãs Tinto 2013

Monte da Ravasqueira Vinha das Romãs 2013 (1).JPG

 Localizado em Arraiolos, o Monte da Ravasqueira compreende uma área total de vinha de 45 hectares, na sua maioria com solos argilo-calcários com afloramentos graníticos. Toda a vinha encontra-se protegida por topografia montanhosa de floresta, ladeada por barragens e com uma altitude acima dos 250 metros, o que proporciona à vinha um clima fresco, ideal para combater temperaturas elevadas dos meses de maturação das uvas.

Em 2002, tomou-se a decisão de arrancar um conjunto de romãzeiras que ocupavam uma área de cerca de cinco hectares para se plantar vinha. Pretendia-se que o sucesso de maturação das romãzeiras pudesse transmitir-se na qualidade das uvas das castas Syrah e Touriga Franca, então plantadas naquela parcela que passou a chamar-se Vinha das Romãs.

 

 

 Notas de Prova :

Rolha em excelente estado, molhada na base e sem progressão.

Excelente nariz a fruta madura vermelha, especiado e com ataque mais fresco do que esperaria, este Vinha das Romãs apresenta-se como um tinto ainda jovem, mas já bastante afinado e polido para uma prova cheia de prazer. Muito sedoso, sem arestas, apresenta a textura macia, sedosa, plena de sabor. Os taninos são finos, muito bem desenhados, terminando longo, persistente e fresco.

Uma agradável surpresa este vinho, o meu primeiro Monte da Ravasqueira, que conquista em mim um fiel seguidor.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

RegiãoAlentejo
Tipo de Vinho     Tinto
Ano2013
ProdutorMonte da Ravasqueira
CastasSyrah e Touriga Franca
Teor Alcoólico14,0%
ConsumoBeber

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Posts mais comentados

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.