Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Wines & Whispers

Um blog para quem, como eu, procura descobrir, entender e partilhar as histórias que uma garrafa de vinho tem para contar.

Wines & Whispers

Um blog para quem, como eu, procura descobrir, entender e partilhar as histórias que uma garrafa de vinho tem para contar.

QUINTA DO ESPÍRITO SANTO Reserva Tinto 2012

Quinta Espírito Santo Reserva 2012 (1).JPG

 Um dos vinhos com garantia de qualidade a baixo preço é este Quinta do Espírito Santo Reserva 2012. Um tinto poderoso, bastante expressivo, muito bem construído.

 

A este preço, é difícil de resistir.

 

Notas de Prova:

 

Rolha em excelente estado, molhada apenas na base. 

 

De cor púrpura carregada e com grande concentração de cor, apresenta um nariz bastante pujante, com frutas pretas, violetas, especiaria e compota. 

 

Na boca, a confirmação que estamos perante um tinto cheio de vida, raçudo, com taninos e uma acidez muito expressivas. Grande estrutura de boca, é um tinto encorpado e musculado, quase austero, que está construído camada após camada com notas de baunilha, canela, frutos vermelhos e especiaria. Mastigável, pede bons pratos de carne vermelha à mesa para melhor se poder expressar.

Para beber desde já ou para guardar em cave por um bom par de anos. Com tanta vida na garrafa, mal não lhe fará.

 

Termina longo, com bastante persistência, cheio de vida.

 

Classificação Pessoal : 16,5 valores

 

Produtor Casa Santos Lima
Região Lisboa
Tipo de Vinho Tinto
Ano 2012
Castas  Tinta Roriz, Castelão, Syrah, Touriga Nacional
Teor Alcoólico 15,00 %
Consumo Beber / Guardar

LADEIRA DA SANTA Grande Reserva Tinto 2011

LADEIRA DA SANTA GR Tinto 2011 (1).JPG

Notas de Prova:

 

Rolha em excelente estado, molhada apenas na base.

 

Apresenta no copo uma cor púrpura sedutora, com um nariz bastante expressivo de aromas de frutos do bosque macerados.

 

Na boca, mostra-se um vinho bem elaborado, macio, com taninos muito bem polidos, com boas notas de chocolate e especiaria, fruto do estágio em barrica de carvalho francês. É um vinho que se bebe com prazer, muito bem estruturado e com um final de boca prolongado.

 

Uma boa surpresa, produto de uma região que por vezes cai no meu esquecimento mas que com este vinho me faz recordar que Dão é uma região com grandes vinhos, que merece um olhar muito mais atento. E que 2011, foi mesmo um ano de excepção.

 

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

Produtor Ladeira da Santa
Região Dão
Tipo de Vinho Tinto
Ano 2011
Castas Touriga Nacional e Alfrocheiro
Teor Alcoólico      13,50 %
Consumo Beber / Guardar

VALE DO BOMFIM Tinto 2014

Vale do Bomfim 2014 (1).jpg

 Não me recordo da quantidade de vezes que passei por este vinho sem nunca o ter trazido para realizar uma prova. Foram algumas, sempre uma promessa adiada, mas que recentemente decidi realizar. 

Desconhecia em absoluto este vinho, da Symington Family Estates, embora o selo do seu produtor me assegurasse desde logo qualidade inequívoca.

E assim parti, para mais uma boa descoberta.

 

Notas de Prova:

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e sem progressão.

 

Nariz bastante expressivo de frutos silvestres, com toque de fumado envolvente bem enquadrado.

 

Na boca, mostra-se um tinto carnudo, com taninos firmes. Especiado, com traço vegetal, fumado e toque de madeira, é um tinto que se bebe com prazer, mas que pede um bom prato a acompanhar de modo a poder brilhar.

 

Termina longo, bastante persistente, com travo ligeiramente seco.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

 

Produtor Symington Family Estates
Região Douro
Tipo de Vinho Tinto
Ano 2014
Castas Touriga Franca, Touriga Nacional e mistura de castas durienses
Teor Alcoólico      14,00 %
Consumo Beber

QUINTA DO PESSEGUEIRO Tinto 2014

Quinta do Pessegueiro 2014 (1) (1).jpg

 Um dos vinhos que mais curiosidade me vinha a suscitar, desde à algum tempo a esta parte, era precisamente este QUINTA DO PESSEGUEIRO Tinto 2014. Recentemente premiado no concurso anual da prestigiada revista DECANTER com medalha de platina e 95 pontos de pontuação, é um vinho que se tem vindo a afirmar no panorama nacional e internacional, com grande consistência ao longo dos anos e que promete vir ainda dar a falar.

Para isso, Roger Zannier conta com o enólogo João Nicolau de Almeida, neto de Fernando Nicolau de Almeida, lendário criador do mítico Barca Velha.

 

“o objectivo é fazer aqui um dos melhores vinhos do Douro".

 

Depois desta prova, tudo o que posso dizer é: estão decididamente no bom caminho para o fazer.

 

 

 

 

Notas de Prova :

 

Rolha em bom estado, com ligeira progressão.

Nariz francamente sedutor, com notas de frutos vermelhos e especiaria.

Na boca...um pecado! Notas de fruta madura, frutos vermelhos, especiaria, ligeiramente mentoladas. Com os seus taninos correctos, é um tinto directo, franco e muito envolvente, desde o primeiro momento até à última gota.

Termina longo, persistente, cheio de vida e com a promessa de evoluir com o tempo.

 

Classificação Pessoal : 17,5 valores

 

 

Produtor Roger Zannier
Região Douro
Tipo Tinto
Ano 2014
Castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Vinhas Velhas de várias castas
Teor Alcoólico      14,00 %
Consumo Beber / Guardar por um período até 5 anos

Vinhos biológicos Herdade do Esporão

thumbs.web.sapo.io (1).jpg

Trata-se do primeiro lançamento de vinhos resultantes do cultivo de vinhas biológicas, o primeiro resultado de um projecto já com alguns anos por parte da Herdade do Esporão e a confirmação de uma tendência para vinhos mais biológicos que temos vindo a registar nos últimos anos.

 

O Esporão Colheita Branco 2016 é um branco monocasta Antão Vaz com um teor alcoólico de 14,00 %, enquanto que o Esporão Colheita Tinto 2016 é um bivarietal de Touriga Franca e Cabernet Sauvignon, com o mesmo teor alcoólico do seu irmão branco.

 

Estes dois vinhos colheita chegam agora ao mercado, com um P.V.P. a rondar os 10€.

Novo Vinho MANOELLA

IMG_0151 (1).JPG

O projecto WINE & SOUL, de Sandra Tavares e Jorge Serôdio Borges, apresentou recentemente a sua nova criação: o MANOELLA Branco 2016.

 

Proveniente de vinhas velhas com mais de 50 anos, de solo predominantemente granítico e a 500 metros de altirude, este branco é composto por Gouveia, Viosinho, Rabigato e Códega do Larinho, tendo fermentado em cubas de inox e estagiado por 6 meses.

 

Muita curiosidade neste branco, que apresenta um alargamento das opções da WINE & SOUL às castas brancas e que terá certamente, selo de enorme qualidade.

 

A seguir com muita curiosidade e atenção.

CORTES DE CIMA Syrah 2012

Cortes de Cima Syrah 2012 (1).JPG

Este é um dos vinhos que, colheita após colheita, me continua a surpreender e deliciar. A sua consistência faz com que, anos após ano, seja um dos vinhos tintos que continuo a querer comprar e provar, não deixando nunca de me surpreender, como se da primeira vez se tratasse.

 

Foi pois, com especial afecto, que voltei a este Syrah Cortes de Cima, gama de entrada dos Syrah do produtor, onde evolui depois para o Homenagem a Hans Christian Anderson e o icónico Incógnito.

 

Encontra-se num ponto de consumo ideal, a meu ver, podendo contudo beneficiar com mais alguns anos em cave. Tem corpo e acidez para se refinar, assim possamos resistir à tentação de abrir a garrafa.

 

Notas de Prova :

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e compouquíssima progressão.

 

Cor granada, nariz arrebatador de frutos vermelhos, com notas bem ligadas de cacau, baunilha e especiaria, fruto do seu estágio em barrica. No paladar, assume a sua vigorisidade característica, um tinto carnudo e de acidez elevada, com taninos macios. Mostra-se bastante sumarento e complexo, muito bom volume de boca, e termina longo e muito persistente, bastante envolvente.

 

 

Classificação Pessoal : 16,5 valores

 

 

Região Alentejo
Tipo de Vinho     Tinto
Ano 2012
Produtor Cortes de Cima
Castas Syrah
Teor Alcoólico 14,00 %
Consumo Beber / Guardar

AR Touriga Nacional 2013

AR Touriga Nacional 2013.JPG

 Depois da experiência do AR Reserva tinto 2013 (poderão ler a nota de prova aqui), colquei hoje em prova o vinho AR Touriga Nacional 2013.

 

Tenho vindo a registar com muito agrado o ressurgimento da Adega Cooperativa do Redondo, com vinhos com muita qualidade, muita consistência e que transportam consigo muito da alma Alentejana de que, particularmente, muito aprecio.

 

 

Notas de Prova :

 

 

Rolha em excelente estado, molhada apenas na base, sem progressão.

 

Aroma exuberante a frutos silvestres vermelhos, notas de especiaria, caramelo e um toque vegetal. Na boca, vinho com bom porte, enche bem a boca, num ataque quente e seco. Taninos bem desenhados, a vincar a sua juventude, com garra e cheio de vida, proporcionando um final bem persistente e muito longo.

 

Como referi, este vinho emana alma Alentejana a que ninguém poderá ficar indiferente, a um preço muito convidativo para esta qualidade. Dá clara sensação de que poderá ainda estar numa fase crescente em garrafa, mas merece ser bebido já.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

 

Região Alentejo
Tipo de vinho      Tinto
Ano 2013
Produtor Adega Cooperativa do Redondo
Castas Touriga Nacional
Teor Alcoólico 14,00 %
Consumo Beber / Guardar

QUINTA DA FRONTEIRA Reserva Tinto 2010

IMG_0134 (1).JPG

Propiedade da Companhia das Quintas, que possuí entre outras esta Quinta da Fronteira, a Quinta do Cardo e a Quinta de Pancas e a Herdade da Farizoa, a Quinta da Fronteira, localizada no Douro Superior, é composta por duas vinhas: uma localizada em Freixo de Espada à Cinta e outra em Barca D'Alva. Com cerca de 71 hectares de vinha plantada, entre os 100 e os 350 metros de altirude, em solo de textura predominantemente xistoso-arenoso.

 

Os nossos vinhos refletem o nosso terroir e a alma das nossas pessoas.

 

O Quinta da Fronteira Reserva 2010 da Companhia das Quintas foi premiado com uma medalha de ouro na categoria de Tintos na primeira edição do Concurso de Vinhos do Douro Superior.

 

Notas de Prova :

 

Rolha em excelente estado, molhada na base e com pouca progressão.

 

De cor rubi escuro muito concentrado, apresenta excelente notas aromáticas, com frutos negros maduros, especiaria e um toque floral muito agradável (esteva).

 

Na boca, é um tinto com bom volume, acidez equilibrada, fresco. Os taninos são sedosos, sem deixarem de serem firmes.

 

Termina longo e persistente.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

 

Região Douro
Tipo de Vinho     Tinto
Ano 2010
Produtor Companhia das Quintas (Quinta da Fronteira)
Castas Touriga Nacional , Touriga Franca e Tinta Roriz
Teor Alcoólico 14,50 %
Consumo Beber / Guardar

 

 

Prova de Vinhos DONA MARIA

Jantar Vínico DONA MARIA (1).JPG

 

IMG_0133 (1).JPG

 

 Jantar Vínico DONA MARIA organizado pela garrafeira Dom Vinho, na Quinta das Lágrimas (Coimbra). Os vinhos em prova foram:

 

  • Dona Maria Rosé 2016

Bonita cor salmão claro, num claro estilo de vinho rosé de cor menos carregada e mais  elegante, apresenta-se no nariz com bastante delicadeza, muito frutado com boas notas de frutos tropiacais, framboesas e morangos.

 

Na boca, é um vinho muito macio, fácil de se beber, muito leve sem que com isso deixe de ser persistente, o que o torna ideal para um fim de tarde de Verão.

 

Tem bom volume de boca, com um final médio a longo e persistente.

 

Classificação Pessoal : 16,0 valores

 

Região Alentejo
Tipo de Vinho     Rosé
Ano 2016
Produtor Júlio Bastos
Castas Aragonez e Touriga Nacional
Teor Alcoólico 12,00 %
Consumo

Beber

 

 

  • Dona Maria Viognier 2015

Cor citrina com laivos amarelados, de aspecto bastante límpido. O aroma remete de imediato para a casta, com notas florais de jasmim, bastante frutado com destaque para pêra, manga e pêssego.

 

Na boca, mostra-se um branco cremoso e bastante guloso, com boa acidez e volume de boca, muito equilibrado.

 

Está um branco bastante bem feito, afinado, e que termina com um bom comprimento de boca e persistência.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

 

Região Alentejo
Tipo de Vinho     Branco
Ano 2015
Produtor Júlio Bastos
Castas Viognier
Teor Alcoólico 13,00 %
Consumo Beber

 

 

  • Dona Maria Touriga Nacional 2013

Bonita cor violeta, com aspecto límpido.

 

No nariz, notas florais de bergamota e violetas, apresenta um paladar bastante sedoso e requintado, com bom volume de boca. Os taninos são requintados, com personalidade e classe, aliado a uma muito boa acidez. Tudo conjugado, permite afirmar que estamos perante um tinto em claro crescimento e com grande potencial de envelhecimento.

 

Termina longo e persistente.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

Região Alentejo
Tipo de Vinho     Tinto
Ano 2013
Produtor Júlio Bastos
Castas Touriga Nacional
Teor Alcoólico 14,50 %
Consumo Beber / Guardar

 

 

  • Dona Maria Amantis Reserva 2012

Apresenta no copo uma bonita cor rubi, brilhante, de aspecto concentrado.

 

No nariz, notas muito interessantes e complexas de frutos do bosque maduros, ainda algo fechados, com toque vegetal. No palato, a confirmação de que é um vinho ainda jovem, encontra-se algo fechado em sabores mas mostra uma acidez muito equilibrada e é bastante fresco, complexo, com notas de frutos vermelhos e especiaria. Os taninos estão muito bemdesenhados, macios e nada agressivos, para uma prova cheia de prazer.

 

Termina longo, firme e afirmativo, sendo um tinto para beber desde já mas que com alguns anos de cave poderá ainda evoluir.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

Região Alentejo
Tipo de Vinho     Tinto
Ano 2012
Produtor Júlio Bastos
Castas Syrah, Petit Verdot, Cabernet Sauvignon e Touriga Nacional
Teor Alcoólico 14,50 %
Consumo Beber / Guardar

 

 

  • Dona Maria Grande Reserva Tinto 2012

Depois de em 2016 o Grande Reserva 2011 ter ganho inúmeros prémios nacionais e internacionais, existia grande expectativa relativamente a este Grande Reserva 2012.

 

De cor rubi intensa, carregada, apresenta um nariz cheio de classe, com notas de frutos vermelhos silvestres, menta e especiaria, fruto do seu estágio em madeira de carvalho francês.

 

Na boca, resulta um tinto muito envolvente e sedutor, bastante afinado já, com taninos sedosos e cheios de requinte. Muito bom volume de boca, termina muito longe e bastante persistente, cheio de personalidade e com a promessa clara de ainda vir a crescer muito em garrafa.

 

A prova de que o ano de 2011, para o Grande Reserva, não será um caso isolado.

Excelente!

 

Classificação Pessoal : 18,0 valores

 

Região Alentejo
Tipo de Vinho     Tinto
Ano 2012
Produtor Júlio Bastos
Castas Alicante Bouschet, Petit Verdot, Touriga Nacional e Syrah
Teor Alcoólico 14,50 %
Consumo Beber / Guardar

 

 

  • Dona Maria Late Harvest 2011

Cor dourada, intensa e brilhante, apresenta um nariz com notas caramelizadas, alperce e damasco. No palato, doçura equilibrada com notas de mel e uma acidez acima da média. Final longo, guloso e persistente.

 

Classificação Pessoal : 17,0 valores

 

Região Alentejo
Tipo de Vinho     Branco
Ano 2011
Produtor Júlio Bastos
Castas Semillon
Teor Alcoólico 12,50 %
Consumo Beber

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Posts mais comentados

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.